FBbox/https://www.facebook.com/JaguarariNoticias1/

(Foto: Reprodução/TV Santa Cruz)
O prefeito eleito no município de Belmonte, no extremo sul do estado, não tomou posse no último domingo (1º) para manter o cargo de deputado estadual da Bahia. Essa não é a primeira vez que Jânio Natal (PRP) renuncia à prefeitura local. Ele esteve na gestão da cidade entre 1993 e 1996, como também entre 2000 e 2002. Em ambas as oportunidades, abandonou os mandatos antes do fim.
Com a renúncia do cargo, o vice-prefeito, Janival Andrade, assumiu a prefeitura. Ele é irmão do prefeito eleito, Jânio Natal.
"A nossa proposta era Jânio prefeito e Janival participaria ativamente do governo na parte administrativa, mas a própria oposição chamou atenção para essa possibilidade de Jânio renunciar e ficar Janival prefeito. E nós paramos para pensar: 'sabe que é uma boa?'. Então, resolvemos avaliar isso e concluímos que seria melhor para Belmonte ter um deputado e um prefeito do que apenas um prefeito", afirma Janival Andrade.
O salário de prefeito de Belmonte é de R$ 15 mil e o de deputado estadual R$ 25.333. Jânio garante que a motivação da renúncia não foi financeira.
"Se eu saio de deputado, Belmonte, Cabrália, Itapebi, Itagimirim, Eunápolis, Itabela, Teixeira [de Freitas], Itamaraju ficariam sem qualquer representação na Assembleia Legislativa", defende Jânio Natal.
A decisão dividiu opiniões. "Ele fez tipo uma traição. Veio, ganhou, largou o irmão e foi embora", defende o pescador Vanderlei Borges. Outro morador apoia a decisão. "Ele é deputado estadual e vai correr atrás de recursos para Belmonte", diz o auxiliar de serviços gerais José Israel Santos.
Com a posse de Janival como prefeito, Belmonte não terá vice-prefeito e, na ausência dele, quem assume a prefeitura é o presidente da câmara, o vereador Aelson Matos.

G1

Postar um comentário

FBbox/https://www.facebook.com/JaguarariNoticias1/
Tecnologia do Blogger.